Personalidades da fruticultura brasileira

Dalmo Catauli Giacometti

Dalmo Cientista de renome no Brasil e no exterior, Doutor Dalmo era, acima de tudo, um visionário. Um homem que enxergava na conservação e conhecimento de nossas plantas, animais e micro-organismos a chave para desvendar o futuro. Dalmo Catauli Giacometti foi Chefe-Geral da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia entre os anos de 1976 e 1985 e, entre as suas inúmeras contribuições para a nossa unidade, destacam-se: a inauguração dos prédios da conservação de recursos genéticos e da quarentena de germoplasma; a criação do banco de germoplasma e a ampliação dos vínculos da Embrapa com organismos internacionais. Faleceu em 1992, aos 70 anos. Graças ao trabalho iniciado pelo Doutor Dalmo na década de 70, hoje a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia possui o maior banco genético vegetal do Brasil e da América Latina e um dos maiores do mundo, com mais de 100 mil amostras de sementes. A coleção de base, ou ColBase, como esse banco genético é conhecido no meio científico, tem capacidade atual para conservar 240 mil amostras de sementes. Ações de destaque da gestão do Dr. Dalmo Catauli Giacometti (Junho 1976 a Julho 1985) Criação da Coleção de Base de Germoplasma da Embrapa e sua instalação física e técnica no Centro Nacional de Recursos Genéticos (Cenargen). Inauguração do Prédio da Conservação de Recursos Genéticos, planejado e construído para armazenar, em condições controladas, germoplasma vegetal na forma de sementes e “in vitro” e germoplasma animal na forma de sêmen congelado e embriões em nitrogênio líquido. Ampliação da visibilidade e vínculos científicos da Embrapa no exterior, com o estabelecimento de parcerias com organismos internacionais e regionais – FAO, CGIAR, USDA, CATIE e sistemas nacionais de recursos genéticos de países latino-americanos. Construção do Prédio de Quarentena de Germoplasma, composto de vários laboratórios para análise das espécies vegetais que entram no país para fins de pesquisa. O objetivo dessas instalações foi reduzir a introdução e disseminação de pragas e doenças nas culturas agrícolas brasileiras. Estabelecimento da Área Técnica de Engenharia Genética na Embrapa, a partir da formação de um núcleo pioneiro de especialistas no Cenargen.