Notícia

SUPERFRUTAS BRASILEIRAS

MIRTILO (Blueberry)

 

O mirtilo eurasiano é um arbusto que pertence à família Ericaceae (família da azálea). As plantas são arbustos de pequeno porte nativos da Eurásia e que também crescem em sub-bosques das florestas temperadas na Europa. Existe também o mirtilo americano, uma espécie nativa da América do Norte Vaccinium Corymbosum em cultivo no Brasil.

A Embrapa introduziu o mirtilo no sul do Brasil em 1983. Trata-se de algumas variedades cultivadas na Europa em regiões nas quais o inverno é bastante rigoroso, daí a dificuldade em cultivá-las no país, apenas conseguido de forma satisfatória no sul do Brasil, nas serras de nordeste do estado do Rio Grande do Sul e em cidades planálticas, visto que o planalto catarinense ou meridional se encontra na zona subtropical e a uma altitude média de 1000m.

Cidades catarinenses como São Joaquim, Bom Jardim da Serra, Urupema e Itá (Fazenda NiceBerry) , já estão introduzindo o fruto com sucesso, pois as temperaturas anuais destes logradouros encontram-se entre as mais baixas de todo o Brasil, com média de 11 °C a 13 °C anuais. No estado do Rio Grande do Sul, estas estão sendo inseridas, nas cidades mais altas das serras de Nordeste do estado, e em cidades com altitudes entre 900 a 1200m, tais como: São José dos Ausentes, Bom Jesus, Vacaria, Cambará do Sul, Jaquirana e São Francisco de Paula, visto, que apesar de serem altas e frias o ano inteiro, também possuem solo muito fértil e uma boa distribuição de chuva durante o ano todo.

Benefícios à saúde:

O mirtilo, também comumente conhecido como blueberry tem muitas propriedades benéficas à saúde. Riquíssimo em nutrientes, fornece vitaminas A, C, E e minerais como potássio, cobre, ferro e zinco. Possui antioxidantes como os flavonoides, antocianidinas e resveratrol. Os antioxidantes são essenciais para combater os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce e o desenvolvimento de algumas doenças.

Um estudo publicado no "Journal of Nutrition" em 2009 mostrou que o mirtilo atenua a resistência à insulina e protege contra a inflamação do tecido adiposo em ratos alimentados com uma dieta rica em gorduras (dieta obesogênica). Esses efeitos benéficos do mirtilo podem ser resultado da habilidade das antocianidinas do mirtilo ajudarem a regular genes inflamatórios. Essa pesquisa sugere que o mirtilo tem ação de proteção celular e anti-inflamatória, conferindo benefícios ao metabolismo no combate às patologias associadas à obesidade.

O mirtilo contêm ainda ácido elágico e polifenóis. Esses componentes estimulam os mecanismos de eliminação de substâncias cancerígenas.

O resveratrol presente no mirtilo ajuda a prevenir processos oxidativos que levam a formação de aterosclerose (placas de gordura nas artérias).Um estudo publicado no periódico "Circulation' em janeiro deste ano sugeriu que o consumo regular (3 vezes na semana) de mirtilos e morangos podem diminuir o risco de ataques cardíacos em mulheres. Os pesquisadores encontraram uma redução de praticamente um terço no risco de ataque cardíaco em mulheres que consumiam essas frutas regularmente. Os pesquisadores acreditam que essa ação pode ser resultado dessas frutas oferecerem grande quantidade de flavonoides, compostos com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, protegendo a saúde cardiovascular. A antocianidina também pode contribuir na redução da formação de placas de aterosclerose, o que favorece também o fluxo sanguíneo.

O mirtilo tem baixo índice glicêmico, contribuindo na regulação da glicemia (açúcar do sangue). É uma excelente alternativa para pessoas que apresentam diabetes ou com intolerância à glicose e baixo valor calórico que o torna a fruta uma aliada nas dietas de emagrecimento.